Thomas Meyer

 

As "catástrofes naturais sociais" e o novo movimento de defesa do clima

 

1.

A rápida propagação do movimento de defesa do clima pelo mundo é de facto notável (cf. Haunss; Verão 2020). Também notável é o ódio de que este movimento é por vezes objecto, especialmente o ódio contra Greta Thunberg. O sujeito burguês em crise simplesmente não quer admitir que o seu modo de vida capitalista se tenha tornado insustentável. Mesmo as mais pequenas alterações nos parafusos do ajustamento põem o "cidadão preocupado" em fúria. Assim, o movimento climático não é visto como uma ocasião ou uma oportunidade de reflexão. Em vez disso, é interrompido desde o início por "histéricas reacções defensivas" (cf. Hartmann 2020, 118ss.) A "masculinidade tóxica" descarrega-se em inúmeros comentários de ódio e em contra-movimentos tão absurdos e completamente reaccionários como as "Sextas-feiras pela cilindrada" (actualmente com cerca de 500.000 membros). (1) Aqueles que vêem o seu grande carro como uma extensão da pila parece que se sentem simbolicamente castrados por uma jovem.

Embora as alterações climáticas se tenham tornado óbvias, são teimosamente negadas pelos populistas e radicais de direita (como Donald Trump e Beatrix von Storch). Mesmo onde não as negam abertamente, negam a contribuição humana para as alterações climáticas, ou dizem que não há nada que possa ser feito, de qualquer maneira. (2) Os apologistas do capitalismo em amoque parece que apenas têm para oferecer a "liberdade de morrer". Naturalmente, também rejeitam todas as medidas contra as alterações climáticas, por muito superficiais e insignificantes que sejam. Ou lutam pela defesa do ambiente em vez de pela defesa do clima. (3) A defesa do ambiente como "segurança interna", é claro. A segurança interna, como defesa racista contra tudo o que não se encaixa na imagem nacionalista, inclui a defesa contra os refugiados (climáticos) como uma "medida de defesa do clima". Daí resulta ainda mais imperialismo de exclusão (cf. Böttcher 2016) com ainda mais construção de muros e ordens para disparar. Embora nos últimos anos os fascistas não tenham conseguido ganhar uma posição no movimento ecologista mais recente (por exemplo, nos protestos em torno da floresta de Hambach, Ende Gelände), isso não significa que este continuará a ser o caso. (4) Os esforços para (re)formular a 'defesa do ambiente' de direita deixam isto claro, como demonstram, nomeadamente, as novas fundações das revistas de ecologia de direita (5) (para mais sobre isto ver: Jahrbuch Ökologie 2020. Cf. também Hartmann 2020, 135ss.)

 

2.

Parece um pouco estranho que as Sextas-Feiras pelo Futuro, para além de todo o ódio, recebam muito apoio de tantos lados. A princípio, isto sugere que as Sextas-Feiras pelo Futuro por vezes não causam realmente mossa: "Resistência que não causa resistência não é resistência", disse Gerhard Stapelfeldt (cf. Stapelfeldt 2019, 3). Segundo ele, os recentes protestos climáticos são mais uma rebelião conformista: "Em qualquer caso, a ultrapassagem das alterações climáticas é procurada de uma forma social e economicamente conformista. Este conformismo é o ponto de partida do protesto actual – é por isso que ‘não tem restrições’, é por isso que não têm fim os convites dos governos, parlamentos e partidos aos participantes nos protestos" (ibid., 4, ênfase no original).

Como Stapelfeldt salienta, os manifestantes são todos pessoas que cresceram sob o neoliberalismo, pelo que é lógico que os protestos tenham um carácter privatista e exibam um "analfabetismo social": Fala-se de uma crise climática nas Sextas-Feiras pelo Futuro, mas não de uma crise da sociedade capitalista. Apela-se aos políticos para que dêem finalmente aos resultados da investigação climática a atenção que merecem e para que actuem em conformidade. Mas não se pergunta porquê, apesar de todo o conhecimento e de todas as promessas e cimeiras climáticas etc., nada de eficaz tem acontecido durante décadas. (6)

É verdade que as Sextas-Feiras pelo Futuro apontam em parte que a fixação no indivíduo e nos seus hábitos de consumo é insuficiente, uma vez que o indivíduo não tem, de modo nenhum, liberdade de escolha. (7) No entanto, reduzir as Sextas-Feiras pelo Futuro a um "protesto individualista pela sustentabilidade" (como é claramente evidente no trabalho de economistas pós-crescimento como Niko Paech, cf. Meyer 2021) passa ao lado da sua verdadeira preocupação central. (8) É portanto correcto afirmar que as reflexões e exigências das Sextas-Feiras pelo Futuro se movem dentro da imanência capitalista. A este nível, contudo, as perspectivas para a sociedade como um todo são consistentemente desenvolvidas e consideradas necessárias (embora a procura de um preço de CO2, por exemplo, tenha provado há muito tempo ser um completo disparate, cf. Hartmann 2020, 65ss.). No entanto, "o que o indivíduo pode ou deve fazer", por exemplo, abster-se de viagens aéreas e de carne, (9) é especialmente mencionado no "discurso público". O social e, especialmente, o modo de produção não são abordados em tais apelos. Isto deriva da cegueira perante a forma social. Parece que tudo é apenas uma questão de 'tecnologia correcta' e 'hábitos de consumo correctos'. Especialmente nas fileiras dos Verdes-Oliva, (10) que não querem "sacudir" o capitalismo, mas "apenas regulamentá-lo e torná-lo verde" (Hartmann 2020, 42), tal pensamento é generalizado. "A palavra mágica é crescimento verde" (ibid.).

O interesse público nas Sextas-Feiras pelo Futuro, no entanto, permanece por vezes inconsequente. A catástrofe climática em curso (11) tem sido discutida há décadas, mas as medidas de protecção climática continuam a ser simuladas ou bloqueadas. Todas as medidas, por mais inadequadas que possam ser desde o início, são sempre amenizadas para que se tornem ineficazes. A 'localização do investimento' tem sempre precedência. "Se quer proteger empregos, não pode ser demasiado reticente quanto aos danos ecológicos" (Hartmann 2020, 16). O fabuloso "pacote de protecção climática" da coligação alemã "Groko-Haram" (Martin Sonneborn) no Outono de 2019 também mostrou que nada de grave deve ser feito. Tudo deve permanecer essencialmente na mesma. (12)

Como tem sido dito várias vezes no contexto da crítica da dissociação e do valor, os protestos imanentes são importantes: por exemplo, contra os cortes sociais, a loucura do arrendamento, a crise dos cuidados etc. Em casos isolados, podem também ser capazes de prevenir o pior. Se permanecerem na imanência, não questionarem a condição de financiamento etc., então ou se deparam com o vazio ou correm o risco de se tornarem parte da administração da crise (cf. por exemplo Kurz 2006, Böttcher 2018 e Meyer 2019). A situação é semelhante com os protestos climáticos. Assim, continua a ser correcto exercer pressão sobre todos os regimes de administração da crise, como o movimento das alterações climáticas está a tentar fazer, para pressionar no sentido de uma "transformação ecológica" "por muito inconveniente e não rentável que possa ser" (Thunberg 2019, 47, ênfase TM).

Aqui, Greta Thunberg declara que a rentabilidade deve ser rejeitada. O objectivo necessário é manter o mundo habitável. Assim, fazer contas não é opção. No entanto, uma crítica ao modo de produção capitalista, ao movimento de valorização do capital etc., por vezes não desempenha um papel significativo no movimento de defesa do clima. Ainda assim, Sextas-Feiras pelo Futuro não é um movimento homogéneo (à medida que 2019 avançava, tornou-se mais diversificado. Embora seja essencialmente um movimento de classe média, ou seja, um movimento dos mais ricos, há muito que deixou de ser "apenas" dos estudantes, cf. Haunss; Verão 2020). Existem de facto alguns grupos (tais como 'Change for Future') que reivindicam ou tentam uma crítica ao capitalismo (embora aqui a crítica ao capitalismo não seja uma crítica radical à constituição de fetiche). Contudo, não se pode dizer que as posições críticas do capitalismo sejam essenciais ao movimento. (13) Afirma-se, por exemplo, que a crise climática não pode ser resolvida no actual sistema económico. (14) A "questão do sistema" é assim colocada. Por outro lado, alguns e algumas activistas das Sextas-Feira pelo Futuro pensam que podem fazer uma diferença significativa através de eleições ou de serem eleitos. (15) Resta saber se as Sextas-Feiras pelo Futuro conseguem quebrar a imanência e não cair na afirmação ou no oportunismo (cf. Konicz 2020). (16)

 

3.

Certamente que faz sentido criticar certos produtos e padrões de consumo e parar a sua produção. No entanto, é problemático se ficarmos por aí, e pensarmos que é suficiente abolir os sacos de plástico e os SUV, sem que o próprio modo de produção fique sob escrutínio crítico. Não é de modo nenhum apenas um problema da tecnologia "certa". É sobretudo a "contradição entre matéria e forma" que precisa de ser vista (cf. Ortlieb 2019a). Tal como em debates anteriores sobre veganismo ou capitalismo verde, não se percebe que mesmo um capitalismo verde ou vegano tem de se impor na concorrência, de modo que a "produção sustentável" afinal não é assim tão sustentável, especialmente quando a procura solvente cai e as regulamentações ambientais etc. se revelam perturbadoras e disfuncionais para a continuação da acumulação de capital. O facto de os grandes ganhadores nos Estados centrais capitalistas poderem abastecer-se de todo o tipo de "produtos ecológicos" (e ir às compras nos seus SUV) não deve obscurecer que isto só é possível porque esses estratos sociais ainda estão entre os vencedores do mercado mundial.

Então, se se afirma que se deve consumir menos carne para que menos floresta tropical seja destruída para a produção de soja como ração animal, porque é que uma quebra na procura de soja tornaria então a produção de soja menos destrutiva se a soja fosse cultivada como alimento humano? A floresta tropical continuaria depois a ser destruída para a produção de escalopes de soja ou biocombustível. Uma "crítica" verde, que visa o indivíduo e se entretém concretamente com os bens de consumo individuais, passa assim ao lado da capacidade destrutiva do modo de produção capitalista. Em condições capitalistas, um "Green New Deal" é apenas mais uma ilusão de querer livrar-se da destrutividade do capitalismo sem o tomar como tema e ultrapassá-lo. Um Green New Deal seria a mesma coisa em verde (cf. Reckordt 2019). A destrutividade do capitalismo só seria modernizada. Assim, quando alguém se queixa da extinção das espécies, da agricultura industrial e da mania do automóvel, então o foco deve estar na forma como a natureza está a ser estragada de acordo com critérios capitalistas de valorização e consequentemente destruída por eles. É portanto necessário fazer da dominação e da destruição da natureza o tema de discussão, e questionar a redução da natureza a uma mera matéria-prima. Neste contexto, é preciso referir o carácter profundamente patriarcal da dominação da natureza pelo capital, como é evidente, por exemplo, na medicina reprodutiva (cf. Meyer 2018). Contudo, esta ligação não é abordada no debate sobre as alterações climáticas, uma vez que as Sextas-Feiras pelo Futuro não têm um conceito crítico das ciências (naturais) (cf. Ortlieb 2019).

Robert Kurz salientou que não é possível aos humanos, embora sejam seres naturais, relacionarem-se 'harmoniosamente' com a natureza, uma vez que os humanos não são 'um' com a natureza. A relação com a natureza consiste em entrar num específico metabolismo com a natureza, o que também leva a que a natureza seja transformada e assim ela própria seja alterada (cf. Kurz 2002). A natureza não é, portanto, algo estático. Uma natureza que é suposto ser algo imaculado e intocável é um desejo projectivo do sujeito burguês, que não pode ou não quer lidar criticamente com a sua própria relação com a natureza nem, portanto, consigo mesmo. Por conseguinte, ao falar de protecção da natureza, tem de ficar claro qual a natureza que tem de ser protegida e porquê: ou seja, de quem ou do que realmente tem de ser protegida! Deve, pois, ficar claro que a destruição ambiental é o resultado de um determinado modo de produção, e não o resultado de uma determinada tecnologia ou de um produto isolado, que o indivíduo consome depois. Ou, nas palavras de Robert Kurz: "Seria barato demais atribuir a dinâmica da destruição moderna da natureza exclusivamente à técnica. Certamente são os meios técnicos que interferem directa ou indirectamente nos nexos naturais. Mas esses meios não são responsáveis por si, são o resultado de uma determinada forma de organização social, que define tanto as relações sociais quanto o ‘processo de metabolismo com a natureza’." (ibidem).

Faz pouco sentido, portanto, tentar proteger a natureza ou o clima, proibindo simplesmente certos produtos ou práticas. Estas proibições pretendem, como é sabido, reduzir a emissão de CO2. Como alternativa, são feitos investimentos em produtos que prometem menores emissões de CO2. Mas os produtos não são considerados como resultados específicos de um modo de produção, ou seja, como produtos da sua socialidade. Neste contexto, a "forma de trabalho social [...] determina os objectivos específicos e as forças motrizes da produção e do consumo, bem como o tipo e extensão das intervenções na natureza" (Böhme; Grebe 1985, 27). A 'forma de trabalho social' (isto é, o trabalho como verdadeira abstracção) não é vista nas Sextas-Feiras pelo Futuro. Esta forma consiste na abstracção do conteúdo e das qualidades intrínsecas. A natureza só é utilizada como substrato para a valorização do valor, de modo que através do trabalho a natureza também é adequadamente degradada, o que é claramente visível, por exemplo, na agricultura, onde a industrialização da agricultura levou a uma perda maciça de variedades (cf. Mooney; Fowler 1991). Além disso, o capitalismo não é de modo nenhum capaz de utilizar os recursos com parcimónia. Se a produtividade aumenta, de modo que um capital individual tem de utilizar menos trabalho para a mesma produção de mercadorias, isto leva ao facto de que, devido ao barateamento dos produtos que acompanham o aumento da produtividade, o capital individual aumenta a sua quota de mercado, desloca os concorrentes e aumenta a sua produção de mercadorias no total. Se um aumento de produtividade ou inovação de produto levar a uma versão do produto (supostamente) mais amiga do ambiente, vencendo os concorrentes, então a parte amiga do ambiente é rapidamente sobrecompensada quando um capital individual inunda todo o mundo com esse produto. A introdução do catalisador nos automóveis, por exemplo, não levou a uma mobilidade mais amiga do ambiente, mas sim a mais tráfego individual. (17) Se os vencedores do mercado mundial pudessem eventualmente produzir de modo amigo do ambiente e barato, o resto do mundo seria cilindrado e teria então de prescindir ainda mais dos "requisitos ambientais". A concorrência significa que o mais barato prevalecerá sempre. Assim, se é mais barato destruir o ambiente, ignorar os ciclos naturais e os tempos de regeneração, então a concorrência obriga a fazê-lo, ainda mais na crise do capitalismo. Devido à dinâmica do capitalismo, mesmo um produto mais amigo do ambiente leva a mais destruição ambiental, uma vez que o consumo de recursos normalmente aumenta de qualquer modo. Este é o chamado efeito de ricochete, que também foi notado pelos economistas burgueses do século XIX, mas que continuou a ser mal compreendido.

Com Marx, o efeito de ricochete pode ser explicado: Se a massa total de valor diminui à medida que a produtividade aumenta, porque tem de ser gasto menos trabalho para a quantidade total de mercadorias, então é preciso aumentar o número de produtos em termos absolutos para obter a mesma massa de valor. Isto é tanto mais verdade quanto não se trata apenas de preservar a massa de valor, mas sim de aumentar constantemente essa massa em si, ou seja, a produção que não produz mais-valia é interrompida (cf. Ortlieb 2019a, 283ss.).

Assim, não é de modo nenhum o "ser humano" ou a utilização da natureza que leva à destruição da natureza e à catástrofe climática, mas um modo de produção irracional que se preocupa com a produção de riqueza abstracta, com a valorização do valor. A capacidade de valorização está assim a esbarrar contra os limites históricos, o que se pode ver no aumento do desenfreamento e da destrutividade do capitalismo. Mas quase ninguém quer admitir isto. É muito mais fácil recalcar a realidade, comportando-se como "verde-sustentável" ou colocando a "culpa" no ser humano "em si", ou seja, concluindo-se que a existência do próprio ser humano é o verdadeiro crime aqui! Verena Brunschweiger, (18) por exemplo, sugere seriamente que devemos deixar de ter filhos por causa do clima (no seu livro: Kinderfrei statt kinderlos – Ein Manifest, para a crítica ver Meyer 2020). Assim se pouparia CO2. Aqui já podemos ver que quanto menos a forma capitalista de produção e de vida é posta em causa e radicalmente criticada, mais a negação do problema e o recalcamento da realidade se instalam e levam a que a própria existência humana apareça como um problema. O capitalismo é guarnecido com uma constante antropológica e visto como um facto inescapável da natureza, de modo que parece mais realista fazer desaparecer os próprios seres humanos em vez de enfrentar a percepção de que tem de se pôr fim à produção de riqueza abstracta. Sem a compreensão/crítica da constituição social da forma, o processamento ideológico da crise provocará tais barbaridades, devido à erosão/asselvajamento da socialização na forma da dissociação e do valor.

 

Bibliografia

Böhme, Gernot; Grebe, Joachim: Soziale Naturwissenschaft – Über die wissenschaftliche Bearbeitung der Stoffwechselbeziehung Natur-Mensch [Ciências Naturais Sociais – Sobre o processamento científico da relação metabólica entre a natureza e os humanos], in: Böhme, Gernot; Schramm, Engelbert (Hg.): Soziale Naturwissenschaft – Wege zu einer Erweiterung der Ökologie [Ciências Naturais Sociais – Vias de Expansão da Ecologia], Frankfurt 1985.

Böttcher, Herbert: »Wir schaffen das« – Mit Ausgrenzungsimperialismus und Ausnahmezustand gegen Flüchtlinge ["Nós podemos fazê-lo" – Com imperialismo de exclusão e estado de excepção contra os refugiados], 2016, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=17&posnr=554&backtext1=text1.php.

Böttcher, Herbert: Wir müssen doch etwas tun! Handlungsfetischismus in einer reflexionslosen Gesellschaft, in: Die Frage nach dem Ganzen – Zum gesellschaftskritischen Weg des Ökumenischen Netzes anlässlich seines 25jährigen Bestehens, Koblenz 2018, 357380, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=17&posnr=595&backtext1=text1.php. Trad. port.: Temos de fazer alguma coisa! Fetichismo da acção numa sociedade sem reflexão, online: http://www.obeco-online.org/herbert_bottcher6.htm

Cunha, Daniel: Das Anthropozän als Fetischismus, in: exit! – Krise und Kritik der Warengesellschaft Nr.13, Berlin 2016, 25–45. Com um posfácio revisto (2021) também em exit-online.org. Em português, com o posfácio saído na revista exit: O antropoceno como fetichismo, online: http://www.obeco-online.org/thomas_meyer.htm

Hartmann, Kathrin: Grüner wird’s nicht – Warum wir mit der ökologischen Krisen völlig falsch umgehen [Mais verde não fica – Por que estamos a lidar inteiramente mal com as crises ecológicas], München 2020.

Haunss, Sebastian; Sommer, Moritz (Hg.): Fridays for Future – Die Jugend gegen den Klimawandel – Konturen einer weltweiten Bewegung [Fridays for Future – Os jovens contra as alterações climáticas – Contornos de um movimento mundial], Bielefeld 2020.

Jahrbuch Ökologie: Ökologie und Heimat – Gutes Leben für alle oder die Rückkehr der braunen Naturschützer? [Ecologia e pátria – Vida boa para todos ou o retorno dos defensores da natureza castanhos?], Stuttgart 2020.

Konicz, Tomasz: Klima für Extremismus, Telepolis vom 05.08.2018.

Konicz, Tomasz: »Wir brauchen ein neues System!« – In Teilen der Klimabewegung reift die Erkenntnis heran, dass nur ein Systemwechsel den Klimakollaps verhindern kann. Doch was muss eigentlich überwunden werden? [»Precisamos de um novo sistema!« – Em partes do movimento do clima está amadurecendo a compreensão de que somente uma mudança no sistema pode evitar o colapso do clima. Mas o que precisa realmente de ser ultrapassado?], in: Ökumenisches Netz Rhein-Mosel-Saar (Hg.): Bruch mit der Form: Die Überwindung des Kapitalismus in Theorie und Praxis, Koblenz 2020, 246–257.

Kurz, Robert: Gesellschaftliche Naturkatastrophen – Die synchronen Überschwemmungen und Dürren in der ganzen Welt kündigen eine neue Qualität der ökologischen Krise an, 2002, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=31&posnr=74&backtext1=text1.php. Trad. port.: O desenvolvimento insustentável da natureza. Inundações e secas ocorridas nos últimos meses no mundo todo anunciam uma nova e grave dimensão da crise ecológica, online: http://obeco.planetaclix.pt/rkurz108.htm

Kurz, Robert: Unrentable Menschen, 2006, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=31&posnr=237&backtext1=text1.php. Trad. port.: Seres humanos não rentáveis, online: http://www.obeco-online.org/rkurz254.htm

Meyer, Thomas: Zwischen Ektogenese und Mutterglück – Zur Reproduktion der menschlichen Gattung im krisenhaften warenproduzierenden Patriarchat, 2018, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=35&posnr=583&backtext1=text1.php. Trad. port.: Entre a ectogénese e a felicidade maternal. Sobre a reprodução do género humano na crise do patriarcado produtor de mercadorias, online: http://www.obeco-online.org/thomas_meyer9.htm

Meyer, Thomas: »Neue Klassenpolitik«? – Kritische Anmerkungen zu aktuellen Diskursen, 2019, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=35&posnr=590&backtext1=text1.php. Trad. port.: "Nova política de classe"? – Notas críticas sobre discursos actuais, online: http://www.obeco-online.org/thomas_meyer11.htm

Meyer, Thomas: Kinderfrei statt CO2 – Gebärstreik als Maßnahme für den Klimaschutz, 2020, online: https://exit-online.org/textanz1.php?tabelle=autoren&index=36&posnr=614&backtext1=text1.php. Trad. port.: Livre dos filhos em vez de com CO2 – Greve ao parto como medida de defesa do clima?, online: http://www.obeco-online.org/thomas_meyer16.htm

Meyer, Thomas: Alternativen zum Kapitalismus – Im Check: Postwachstumsbewegung und Commons und die Frage nach der ›gesellschaftlichen Synthesis‹, in: exit! – Krise und Kritik der Warengesellschaft Nr.18, Springe 2021. Im Erscheinen. Trad. port.: Alternativas ao capitalismo – Em teste: Buen Vivir e o fim do desenvolvimento atrasado, online: http://www.obeco-online.org/thomas_meyer19.htm

Mooney, Pat; Fowler, Cary: Die Saat des Hungers – Wie wir die Grundlagen unserer Ernährung vernichten [A sementeira da fome – Como destruímos as bases da nossa alimentação], Reinbek bei Hamburg 1991.

Ortlieb, Claus Peter: Zur Kritik des modernen Fetischismus – Die Grenzen bürgerlichen Denkens – Gesammelte Texte von Claus Peter Ortlieb 1997–2015 [Para a crítica do fetichismo moderno – Os limites do pensamento burguês – Textos de Claus Peter Ortlieb 1997–2015], Stuttgart 2019.

Ortlieb, Claus Peter: Ein Widerspruch zwischen Stoff und Form – Zur Bedeutung der Produktion des relativen Mehrwerts für die finale Krisendynamik, in: ders: Zur Kritik des modernen Fetischismus – Die Grenzen bürgerlichen Denkens – Gesammelte Texte von Claus Peter Ortlieb 1997–2015, Stuttgart 2019a, 263–293. Online: https://exit-online.org/pdf/WiderspruchStoffFormPreprint.pdf. Trad. port.: Uma contradição entre matéria e forma. Sobre a importância da produção de mais-valia relativa para a dinâmica de crise final, online: http://o-beco-pt.blogspot.com/2010/06/claus-peter-ortlieb-uma-contradicao.html

Stapelfeldt, Gerhard: Klimawandel. Heiße Sommer, Trockenheit: Fridays for Future und Die Grünen als neue Volkspartei [Alterações Climáticas. Verões quentes, seca: Fridays for Future e os Verdes como novo partido popular], 2019, https://www.kritiknetz.de/images/stories/texte/Stapelfeldt_globaler_Protest_gegen_Klimapolitik.pdf .

Reckordt, Michael: Dasselbe in Grün [O mesmo em verde], in: oekom e.V.Verein für ökologische Kommunikation (Hg.): Green New Deal – Fassadenbegründung oder neuer Gesellschaftsvertrag? [Green New Deal – Justificação de fachada ou novo contrato social?], München 2019, 46–52.

Thunberg, Greta: Ich will, dass ihr in Panik geratet! – Meine Reden zum Klimaschutz [Eu quero que você entre em pânico! – Meus discursos sobre a defesa do clima], Frankfurt 2019.

 

 

1.    Ver https://www.akweb.de/politik/gegenwind-fuer-die-klimabewegung/. Ver também a intervenção de Ricarda Lang em 21.3.2019: Defensora do clima como imagem do inimigo: http://emafrie.de/audio-feindbild-klimaschuetzerin/?hilite=%27Ricarda%27%2C%27Lang%27.

2.    Assim Gauland na ZDF-Entrevista de Verão 2018: »Ich glaube nicht, dass es gegen den Klimawandel irgendetwas gibt, was wir Menschen machen können [Não acho que haja nada que nós, humanos, possamos fazer contra as alterações climáticas]«. https://www.youtube.com/watch?v=HWUvTqlbsjg. Ab 2:31 Min.

3.    Ver a intervenção de Gauland: Nachhaltigkeit ist ein konservatives Prinzip [A sustentabilidade é um princípio conservador], youtube.com vom 22.8.2019, https://www.youtube.com/watch?v=TyxCIhhCVM0.

4.    Ver https://www.freitag.de/autoren/elsa-koester/die-allzuvielen bem como Konicz 2018.

5.    Ver https://die-kehre.de/.

6.    Ver a intervenção de Stapelfeldt: Klima und Protest, youtube.com vom 25.8.2020, https://www.youtube.com/watch?v=zS4h34A9jHc.

7.    Assim por exemplo a activista das Fridays for Future Clara Mayer: https://www.youtube.com/watch?v=D9Eqf7UlNWo.

8.    Ver https://fridaysforfuture.de/wp-content/uploads/2019/04/Forderungen-min.pdf.

9.    So wird in Interviews immer wieder auf dies verwiesen: Luisa Neubauer von »Fridays for Future« zu Gast im Nach-Bericht aus Berlin: https://www.youtube.com/watch?v=YFUb6wMIHxU. Ab 17:20 Min.

10.                       E/ou Verdes-Polícias: Ver, por exemplo, Jörg Tauss: Brandmelder gelöscht: Grün, Olivgrün, Polizeigrün [Alarmes de incêndio apagados: verde, verde-oliva, verde-polícia], Telepolis vom 20.7.2020, https://www.heise.de/tp/features/Brandmelder-geloescht-Gruen-Olivgruen-Polizeigruen-4847325.html.

11.                       Por exemplo, na Spiegel de 11.08.1986 diz-se »Das Weltklima gerät aus den Fugen [O clima mundial está de pernas para o ar]« https://www.spiegel.de/spiegel/print/d-13519133.html.

12.                       Ver, por exemplo, https://www.spektrum.de/kolumne/klimaschutzpaket-der-bundesregierung-springt-zu-kurz/1675002 und https://www.freitag.de/autoren/der-freitag/das-ist-unglaublich-fahrlaessig. Ver também: Wolfgang Pomrehn: Groko verhöhnt die Jugend [A grande coligação escarnece da juventude], https://www.heise.de/tp/news/Kohlevertrag-Groko-verhoehnt-die-Jugend-5024350.html.

13.                       Ver a entrevista a Change for Future: https://www.heise.de/tp/features/Ein-Wirtschaftssystem-das-auf-Wachstum-und-Profit-ausgelegt-ist-kann-nicht-nachhaltig-sein-4401440.html.

14.                       Ver https://www.rnd.de/politik/klimaaktivistinnen-greta-thunberg-und-luisa-neubauer-an-eu-die-uhr-tickt-5HPDTQ4QWLEM2CXMAHFPNMXW2E.html.

15.                       Ver https://taz.de/Aktivisten-treten-zur-Wahl-an/!5704234/. Ver também: https://www.klimaliste.de/

16.                       Ver também a discussão entre representantes de Fridays-for-Future, Gerhard Stapelfeldt und Dorothea Schoppek, youtube.com vom 28.9.2020, https://www.youtube.com/watch?v=N5ytkTQQtvA.

17.                       Ver https://www.freitag.de/autoren/der-freitag/monster-unter-artenschutz

18.                       Que, no entanto, não tem nada a ver com as Sextas-Feiras pelo Futuro.

 

 

Original »Gesellschaftliche Naturkatastrophen« und die neue Klimaschutzbewegung in: www.exit-online.org. Texto revisto e actualizado de uma primeira publicação em Telepolis de 18.02.2020. Tradução de Boaventura Antunes

http://www.obeco-online.org/

http://www.exit-online.org/